This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Learn more

Playlist of Samba Obscuro

x
  • Samba Obscuro -

    37:44


    00:00 Roendo as Unhas (Paulinho da Viola) Paulinho da Viola
    05:31 E Daí? (Miguel Gustavo) Jards Macalé
    10:30 Cravo Branco (Paulo Vanzolini) Adauto Santos
    13:50 Pode Sorrir (Guilherme de Brito/Nelson Cavaquinho) Nelson Cavaquinho
    15:57 Você Está Sumindo (Jorge de Castro/Geraldo Pereira) Itamar Assumpção e banda Isca de Policia
    18:06 Bodas de Prata (Aldir Blanc/João Bosco) João Bosco
    21:35 Me Deixa Em Paz (Monsueto Menezes/Airtom Amorim) Alaíde Costa e Milton Nascimento
    24:21 Rua Real Grandeza (Jards Macalé/Wally Sailormoon) Jards Macalé
    29:55 Alberto (Paulo Vanzolini) Paulo Vanzolini
    33:36 Comprimido (Paulinho da Viola) Paulinho da Viola
    ATIVE O ???? DAS NOTIFICAÇÕES

  • Samba obscuro

    37:46

    Mixtape (por Kiko Dinucci) - 2011

    Samba Obscuro Volume 01

    01- Roendo as Unhas (Paulinho da Viola) -- Paulinho da Viola
    02- E Daí? (Miguel Gustavo) -- Jards Macalé
    03- Cravo Branco (Paulo Vanzolini) -- Adauto Santos
    04- Pode Sorrir (Guilherme de Brito/Nelson Cavaquinho -- Nelson Cavaquinho
    05- Você Está Sumindo (Jorge de Castro/Geraldo Pereira) -- Itamar Assumpção e banda Isca de Policia
    06- Bodas de Prata (Aldir Blanc/João Bosco) -- João Bosco
    07- Me Deixa Em Paz (Monsueto Menezes/Airtom Amorim) -- Alaíde Costa e Milton Nascimento
    08- Rua Real Grandeza (Jards Macalé/Wally Sailormoon) -- Jards Macalé
    09 -- Alberto (Paulo Vanzolini) -- Paulo Vanzolini
    10- Comprimido (Paulinho da Viola) -- Paulinho da Viola

  • x
  • Paulo Vanzolini - Por Ele Mesmo Álbum Completo - Full Album

    34:40

    Por Ele Mesmo lançado em 1981 pelo selo Eldorado é o único álbum em que o compositor Paulo Vanzolini interpreta suas próprias músicas. O sambista e zoólogo gravou a voz sem acompanhamento, os instrumentos foram acrescentados posteriormente.

    Faixas:
    01. 00:00 Bandeira de Guerra
    02. 03:13 Tempo e Espaço
    03. 06:22 Raiz
    04. 08:21 Samba Erudito
    05. 10:27 Amor de Trapo e Farrapo
    06. 12:19 Alberto
    07. 16:02 Falta de Mim
    08. 17:48 O Rato Roeu a Roupa do Rei de Roma
    09. 19:55 Cravo Branco
    10. 22:19 Vida É a Tua
    11. 23:44 Capoeira do Arnaldo
    12. 28:28 Samba do Suicídio
    13. 32:00 Samba Abstrato

  • The Jinks - Brazilla

    5:37

    The Jinks - Brazilla (Gregor Salto & Dj Madskillz Samba Obscuro Remix)

  • x
  • samba - Obscuro - zésilveiradobrasil samba&poesia

    2:54

    composição musical: MPB - Samba-bossa
    Autoria: José Silveira - clip, Letra e Voz
    Harmonização: Frederico Salvo
    Música, Violão

    zésilveiradobrasil samba&poesia

  • Samba do Obscuro

    6:06

    Provided to YouTube by CDBaby

    Samba do Obscuro · Thiago e Os Quase Quinze

    Thiago e Os Quase Quinze

    ℗ 2013 Thiago e Os Quase Quinze

    Released on: 2013-04-03

    Auto-generated by YouTube.

  • x
  • Kiko Dinucci e Bando Afromacarrônico - Pastiche Nagô - Full Album

    32:02

    A1. 00:00 Engasga Gato
    A2. 02:40 Padê Onã
    A3. 05:56 Samba Manco
    A4. 08:43 Rainha das Cabeças
    A5. 11:31 Ressureição
    B1. 14:47 João Carranca
    B2. 18:50 Mosquitinho de Velório
    B3. 22:20 Santa Bamba
    B4. 25:49 Tambú e Candogueiro
    B5. 27:43 Roda de Sampa

    Lançado originalmente em 2008, o álbum de estreia de Kiko Dinucci ganha finalmente uma versão em vinil, sendo também o primeiro lançamento do Marafo como selo.

    Disco importado, com capa produzida em serigrafia e com tiragem limitada de 500 cópias.

  • The Jinks - Brazilla

    5:38

    Taken from The Jinks - PROMO! Brazilla on Solemusic

  • The Jinks - Brazilla

    7:51

    Taken from The Jinks - PROMO! Brazilla on Solemusic

  • x
  • Juçara Marçal - Xote de Navegação / Odoya / Ciranda do Aborto @ Sesc Belenzinho

    16:23

    Xote de Navegação
    (Dominguinhos / Chico Buarque de Hollanda)

    Odoya
    (Juçara Marçal)

    Ciranda do Aborto
    Kiko Dinucci

    Filme de Alex Affonso do show Encarnado, realizado no Sesc Belenzinho em 15.11.2014.

  • Sambas do Absurdo - Absurdo 05

    4:26

    Sambas do Absurdo - Absurdo 08

    Direção, Fotografia e Edição:
    Luan Cardoso

    Captação de Áudio:
    Allan Azambuja

    Mixagem/ Master:
    Gui Amabis e Daniel Bozzio

    Assistentes:
    Victor Machado e André Penã

    Identidade Visual:
    Kiko Dinucci

    Quixó Produções - 2017

  • DJ Set Cacai Nunes no Forró de Vitrola - 14out18 - Parte 1

    1:21:12

    Converted from SoundCloud to Youtube with

  • ASSIM ASSADO Nitido e Obscuro

    4:51

    Cavaquinho : Elisa Trebouville
    Pandeiro : Benedito Peirera
    Guitare : André da Silva
    Flûte : Mélanie Buso

    Pour plus d'infos sur leurs actualités et concerts :

    Contact pro: assimassado.choro@gmail.com

    Assim Assado signifie en brésilien comme ci, comme ça.
    Comme deux françaises et deux brésiliens, comme une guitare tantôt six, tantôt sept cordes, comme un cavaquinho, comme une flûte traversière et un pandeiro ! Assim Assado propose une musique instrumentale vivace et chaleureuse, évoquant les sonorités riches et variées des musiques populaires de différentes régions du Brésil. Au travers d'arrangements originaux, les quatre musiciens prennent un malin plaisir à revisiter tout ce qui leur passe par les oreilles, dans un répertoire où jazz, choro, et autres musiques populaires brésiliennes se rencontrent, s'entremêlent et se répondent.

    Assim Assado nasce do encontro entre quatro músicos apaixonados pelo choro, música instrumental nascida no Rio de Janeiro, nó início do século XX.
    Assim como duas francesas e dois brasileiros, como um violão de seis ou sete cordas, como um cavaquinho, como uma flauta transversal e um pandeiro! Assim Assado propõe uma música viva e calorosa, espalhando as sonoridades ricas e diversificadas de música popular de varías regiões do Brasil. Com arranjos originais, os quatro músicos mexem com tudo que chega aos seus ouvidos, num repertório onde jazz e choro, mais também outras músicas populares brasileiras, se encontram, se misturam e se respondem.

  • Samba do Obscuro - Thiago e os Quase Quinze

    5:00

    Samba do Obscuro

    Meu, vocês deram tão certo
    que até me impressionam só por eu nascer.

    Meu, vocês sabem de tudo
    e eu sei do pedaço que é bom de esquecer.

    Meu, vocês deram tão certo
    que até me envergonham só por eu nascer

    Meu, vocês sabem de tudo
    só resta uma rusga que eu tenho a dizer.

    Meu, o que é que há?
    Por que é que eu não vou ganhar uma medalha?
    Meu, nada será,
    Além do seu globo ocular na minha falha.

    Pra quem não vê, Vem que virá...
    Pra quem não tem,Tem que criar...

    Um Deus pra dizer: nada tema,
    Um pai pra dizer: não se afaste,
    Um rio pra poder me afastar de vez.

    A mente é a miséria do homem,
    O corpo é o que resta de ontem,
    Como o grosso das compras do mês.

    Meu, o que é que há?
    Por que é que eu não vou ganhar uma medalha?
    Meu, nada será,
    Além do seu globo ocular na minha falha.

    Não há nada que eu saiba, Que eu não possa duvidar.
    Eu sei o fim, eu sei o meio, Pronto pra começar.
    O mundo que eu vejo é minha cria.
    Tenho o meu próprio sistema solar.
    A noite é só uma criança, baby,
    Que eu cuido e faço chorar.

    Meu, o que é que há?
    Por que é que eu não vou ganhar uma medalha?
    Meu, nada será,
    Além do seu globo ocular na minha falha.

  • Apolo do Samba Nonô e Zé Dedão Interprete Zé Dedão

    3:33

    Lp 5º Festival de Músicas de Favela ,Rio de Janeiro 1974

    Texto: Augusto TM

    Olá amigos cultos e ocultos! Aproveitando uma encomenda de digitalização de discos, escolhi entre os tantos este curioso e obscuro lp. Digo isso porque além de ser um trabalho antigo, deve ter sido também um disco de edição limitada. Uma produção da CID (Companhia Industrial de Discos), de Harry Zuckermann, mas com o selo OBA (a Etiqueta do Sambista), criado especificamente para atender ao propósito que era a quinta edição do Festival de Músicas de Favela. Este festival, por certo foi um evento tradicional na cidade do Rio de Janeiro, como podemos ver aqui, já estava em sua quinta edição. Inclusive, fui buscar na rede mais informações, mas não há nada além do fato de que na terceira edição, de 1965, quem se saiu vencedor foi a cantora e compositora Aparecida com seu samba “Zumbi, Zumbi”, defendendo a favela da Cafúa. Numa pesquisa rápida ao Google não passamos disso. Há referencias sobre outras edições, mas principalmente no Mercado Livre, onde ainda se pode encontrar esses discos. E pelo que vi, houve outros festivais de música nessa linha como o “I Festival de Favelas”, gravado ao vivo e lançado nos anos 60 pelo selo Caravelle e o “Festival de Favela”. Em 1976 saiu pela Top Tape um lp que eu entendo como sendo a sexta edição do Festival de Músicas de Favela. Pelos artistas participantes, acredito que seja o mesmo festival e pelo jeito deve ter sido o último que mereceu um registro fonográfico.
    Nesta quinta edição que eu apresento a vocês temos doze sambas de qualidade. Aliás, qualidade e originalidade é o que não faltava nessa época. Músicas muito boas, com compositores e intérpretes muito bem selecionados. Se fosse hoje, um festival como este teria a maldição do funk, do rap e outras merdas que vem ajudando a destruir a cultura musical dos morros, das favelas do Rio de Janeiro. Aqui ainda podemos encontrar o “Morro original”, que é também o título da música vencedora desta edição, composta por Fabrício Silva e Dodô Marujo e defendida por João de Deus. Sem dúvida, um disco interessante, que merece seu destaque no universo histórico do samba.

    morro original – joão de deus
    apolo do samba – zé dedão
    é o dendê – jeremias
    amor e fantasia – as sublimes
    fuga – leninha
    no bico – bené silva
    noite fria – trio moreno
    samba do criolo falado – colorido
    a batucada chegou – quinteto santos
    vida x luto – rubens da mangueira
    negro dez – cleto
    caso sério – wilson diabo
    .


    Esta entrada foi publicada em Festivais, Selo OBA por Augusto TM. Ligação permanente.

  • Kiko Dinucci - Rastilho

    32:26

    Faixas

    01 – Exu Odara (Domínio Público) - 0:00
    02 - Olodé (Kiko Dinucci) - 2:40
    03 – Marquito (Kiko Dinucci) - 5:33
    04 – Vida Mansa (José Batista/Norival Reis) - 9:38
    05 – Foi Batendo o Pé Na Terra (Kiko Dinucci) - 13:05
    06 – Febre do Rato (Kiko Dinucci) - 16:22
    07 - Dadá (Kiko Dinucci) part. Ava Rocha - 19:56
    08 – Veneno (Kiko Dinucci/OGI) part. OGI - 22:13
    09 – Tambú e Candongueiro (Kiko Dinucci) - 25:42
    10 – Gaba (Kiko Dinucci) part. Juçara Marçal - 27:25
    11 – Rastilho (Kiko Dinucci) - 29:16



    Ficha Técnica

    Produção: Kiko Dinucci

    Gravado nos dias 02, 03 e 04 de setembro de 2019 e mixado nos dias 04, 05 e 06 de novembro de 2019 no Estúdio Minduca em processo cem por cento analógio (fita).

    Gravação: Bruno Buarque e André Magalhães

    Mixagem: Bruno Buarque e André Magalhães

    Masterização: Felipe Tichauer (Red Traxx Mastering)

    Foto e Capa: Pablo Saborido

    Violão e voz: Kiko Dinucci
    Côro nas faixas 02, 04, 05, 09 e 11: Dulce Monteiro, Gracinha Menezes, Maraisa e Juçara Marçal
    Voz na faixa 07: Ava Rocha
    Voz na faixa 08: Ogi
    Voz na faixa08 e 10: Juçara Marçal





























    Ficha Técnica

    Produção: Kiko Dinucci

    Gravado nos dias 02, 03 e 04 de setembro de 2019 e mixado nos dias 04, 05 e 06 de novembro de 2019 no Estúdio Minduca em processo cem por cento analógio (fita).

    Gravação: Bruno Buarque e André Magalhães

    Mixagem: Bruno Buarque e André Magalhães

    Masterização: Felipe Tichauer (Red Traxx Mastering)

    Foto e Capa: Pablo Saborido

    Violão e voz: Kiko Dinucci
    Côro nas faixas 02, 04, 05, 09 e 11: Dulce Monteiro, Gracinha Menezes, maraisa e Juçara Marçal
    Voz na faixa 07: Ava Rocha
    Voz na faixa 08: OGI
    Voz na faixa08 e 10: Juçara Marçal

  • Satanique Samba Trio - Misantropicalia

    32:29

    01. Teletransputa
    02. Canção para atrair má sorte (ato I)
    03. Deus odeia samba rock
    04. Canção para atrair má sorte (ato II)
    05. Gafieira bad vibe
    06. Canção para atrair má sorte (ato III)
    07. Seis temas tropicais para mestre Lúcifer
    08. Seis temas tropicais para mestre Lúcifer
    09. Seis temas tropicais para mestre Lúcifer
    10. Seis temas tropicais para mestre Lúcifer
    11. Seis temas tropicais para mestre Lúcifer
    12. Seis temas tropicais para mestre Lúcifer
    13. Canção para atrair má sorte (ato IV)
    14. Dança das quilumbas

    Formado em Brasília no ano de 2000 o Satanique Samba Trio, não é samba, e sim um post rock free jazz instrumental; não é um trio, mas um quinteto. E de satânico traz apenas os títulos dos temas, num jeito bastante humorado de cultuar o tinhoso. Uma reportagem sobre o SS3 publicada na revista Bizz define bem o trabalho do quinteto enoja fãs de jazz, irrita roqueiros e causa asco nos eruditos.

    O disco abre de modo aleatório como Teletransputa que lembra alguns experimentos sonoros do Tom Zé nos anos 90. Segue com o ato II da tenebrosa e climática Canção para atrair má sorte. A sequência com o samba rock torto de deus odeia samba rock quebra a divisão atmosférica que leva ao ato III de Canção para atrair má sorte. O disco ainda traz as boas Gafieira bad vibe e as 6 canções emendadas Seis temas tropicais para Mestre Lúcifer. Não dá para levar muito à sério o SS3, e a criatividade dos arranjos é admirável.
    Bizz, edição 199

    Misantropicalia tem um projeto gráfico muito bem construído em embalagem digipack, capa bonita e um título que é um achado poético, casa muito bem com o disco lançado pelo selo Amplitude.

    Fonte:

  • samba - O Rastilho da Pena - zésilveiradobrasil samba&poesia

    3:57

    Composição musical MPB
    Gênero: Samba
    Letra/Autor: José Silveira
    Música/Arranjo: Frederico Salvo

  • Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis - Absurdo 1

    2:47

    do album Sambas do Absurdo
    autores: Rodrigo Campos e Nuno Ramos

  • Desmonto Sua Cabeça

    1:49

    Provided to YouTube by The Orchard Enterprises

    Desmonto Sua Cabeça · Kiko Dinucci

    Cortes Curtos

    ℗ 2017 Kiko Dinucci [dist. Tratore]

    Released on: 2017-04-14

    Auto-generated by YouTube.

  • x
  • Samba Escuro

    2:11

    Autonomia Lab em movimento

  • Kiko Dinucci - Na Boca dos Outros Álbum Completo - Full Album

    48:29

    Álbum lançado em 2009 pelo selo Desmonta com produção de André Magalhães. Ilustrações do filho de Kiko, Inácio.

    Faixas:
    01. 00:00 Ciranda Para Janaína (Kiko) - intérprete: Fabiana Cozza
    02. 04:05 Anjo Protetor (Kiko) - intérprete: Marcelo Pretto
    03. 07:58 Depressão Periférica (Kiko) - intérprete: Mauricio Pereira
    04. 11:16 Perua (Kiko) - intérprete: Paula Sanches
    05. 13:50 Partida Em Arujá (Manezinho) (Kiko) - intérprete: Juçara Marçal
    06. 18:20 Bala De Prata (Kiko & Douglas Germano & José Silva dos Santos) - intérprete: Sapopemba (?)
    07. 22:18 Forró Do Homem Bomba (Kiko, Douglas Germano & Thiago França) - intérprete: Marcelo Pretto
    08. 29:37 Pobre Star (Kiko, Lurdez & Rodrigo) - intérpretes: Lurdes da Luz & Rodrigo Brandão
    09. 32:52 Funeral (Kiko) - intérprete: Bruno Silva De Morais
    10. 35:22 Bom Jesus Da Cabeça (Kiko & Vanderley Mazzucatto) - intérprete: Alessandra Leão
    11. 38:29 Choro Roots (Kiko) - intérprete:Karina Ninni Ramos
    12. 40:15 Vila Esperança (Kiko) - intérprete: Fernando Szegeri
    13. 42:59 Agenda (Kiko & Carlos Zimbher) - intérpretes:Nenê Cintra, Mazé Cintra, Mônica Thiele, Ilka Cintra & Juçara Marçal
    14. 45:54 Balão De Noivado (Kiko) - intérprete: Suzana Salles

  • Veneno

    3:30

    Provided to YouTube by The Orchard Enterprises

    Veneno · Kiko Dinucci · Rodrigo Ogi

    Rastilho

    ℗ 2020 Kiko Dinucci [dist. Tratore]

    Released on: 2020-01-21

    Auto-generated by YouTube.

  • PAULO VANZOLINI - ALBERTO

    3:45

  • Guinga - Nítido e obscuro

    2:53

    Show do Guinga em Paquetá, no dia 05/02/2011.
    Participação: Marcelo Pretto.

  • Dj Finizola - DO SAMBA PRO MUNDO

    18:53

    - Do Samba Pro Mundo é uma mixtape que pretende fazer você dançar com algumas roupagens moderninhas que o samba vem ganhando pelo mundo.

    - Do Samba Pro Mundo is a mixtape you want to make you dance with some modern versions that samba is gaining worldwide.

    ► Bicho Feroz / BNegão
    ► Seu Jorge VS Timbaland / Thiago Corrêa (mashup)
    ► Mas Que Nada / Sérgio Mendes e Black Eye Peas
    ► Sem Compromisso / Marcelinho Da Lua
    ► Ela é Brasileira / Simoninha (tropical beat mix)

    -------------------------------------------------------------------------
    Imagens: Sebba Cavalcante
    Edição: Artur Finizola

  • Zeca Pagodinho - Verdade

    3:48

    Verdade
    (Nelson Rufino e Carlinhos Santana)

    Show de Santo Amaro a Xérem que reúne Maria Bethânia e Zeca Pagodinho.

    De Santo Amaro a Xerém é uma referência à cidade natal de Maria Bethânia e ao refúgio carioca de Zeca Pagodinho. O encontro destes dois grandes intérpretes deu origem a uma turnê homônima.

    O repertório, assinado pelos dois e costurado pelo samba, veio cheio de referências de cada um. No show Bethânia e Zeca se alternam no palco e em duo em vários momentos e trazem surpresas como o “Você Não Entende Nada” (Caetano Veloso), com a divisão peculiar do Zeca, e Bethânia emenda com “Cotidiano” (Chico Buarque) e mais três músicas inéditas como a canção “A Surdo 1”, de Adriana Calcanhotto sobre a Mangueira, duas de Leandro Fregonessi, “De Santo Amaro a Xerém” e “Pertinho de Salvador” e a música de abertura “Amaro Xerém”, um autêntico samba de roda da Bahia escrito especialmente para o show por Caetano Veloso a pedido de Bethânia, depois de mais de 20 anos sem fazer uma canção para ela. A direção musical é de Jaime Alem (violão) e Paulão Sete Cordas (violão) e a banda é formada por Rômulo Gomes (baixo), Paulo Dafilin (violão e viola), Marcelo Costa (bateria/percussão), Jaguara (percussão), Esguleba (percussão), Paulo Galeto (cavaquinho) e Vitor Mota (sax e flauta).

    Ouça agora nas plataformas digitais:

    Spotify
    Deezer
    Napster
    Apple Music
    iTunes
    YouTube Music
    TIDAL
    GooglePlay

    Compre pelo site e receba em casa!


    DVD
    CD duplo

  • 05 - Sinhá D’Oyá ft. Kiko Dinucci

    5:20

    Poema: Caco Pontes
    Composição: Caco Pontes, Fadel Dabien e Paula Klein
    Vozes: Kiko Dinucci e Sandra-X
    Guitarra: Kiko Dinucci
    Bateria: Arnaldo Nardo
    Baixo, programações e Remix: Felipe Julián
    Palmas: Caco Pontes, Emerson Boy e Samba Sam

    ----
    Gravação e Mixagem: Duda Gomes
    Arranjos e Masterização: Felipe Julián
    Produção Musical: Caco Pontes e Duda Gomes
    Produção Executiva: Panaméricas Diásporas
    Concepção e Direção Geral: Caco Pontes
    São Paulo, Brasil - 2017/Séc.XXI

  • Alma Brasileira ‎- Samba Marca Registrada Brasil FULL ALBUM

    30:01

    Álbum obscuro dentro da produção fonográfica brasileira, o álbum Samba Marca Registrada do Brasil, como o nome já diz, é uma grande produção fonográfica lançada pela CBS em 1977, que infelizmente acabou não ''bombando'' na indústria. Se trata de uma produção que mescla vários ritmos, tais como o samba tradicional, o samba-enredo junto com uma grande presença de grooves, advindos da black music, que o álbum possui bastante presença.

    Além disso, o álbum possui participação de nada mais nada menos que Robson Jorge e Lincoln Olivetti nos arranjos, mesclando aquilo que resultaria no que há de melhor em nossa música, com certeza é um álbum belíssimo e que infelizmente é muito esquecido.

    Músicas:

    1 - Peixeiro
    2 - Sinofonia Dos Pássaros
    3 - Nossas Cordes
    4 - Deixe Andar
    5 - Segure O Do Leite
    6 - Guiomar
    7 - Prá Oxalá
    8 - Catuco
    9 - Viagem Pitoresca Através Do Brasil
    10 - Alegria De Um Poeta
    11 - Devaneio
    12 - Na Tonga Da Mironga Do Cabuletê

  • Gadiamb B - Marie Nao Fui Eu

    2:57

    Marie não fui eu
    (Matthieu Hebrard / Paulo Bento / Réka Ortega / Maurício Freire / Rômulo Nardes / Juçara Marçal / Kiko Dinucci)

    Ficha Técnica:
    Matthieu Hébrard - baixo acústico
    Mauricio Freire - guitarra
    Paulo Bento - flauta
    Reka Ortega - bateria
    Romulo Nardes - percussão
    Juçara Marçal - voz
    Kiko Dinucci - guitarra

    Gravado ao vivo no YB Music em abril 2018 com João Antunes e Frederico Pacheco

    Mixado por Daniel Bozzio [DvBz] no estúdio Fine Tuning
    Masterizado por Carlos “Cacá” Lima no estúdio yb music

  • Álbum Farpa - NÃ

    51:09

    Álbum Farpa - Banda Nã

    00:00 Tudo que tenho a dizer
    05:11 Marcado de lutas
    08:14 Nada ficou
    13:16 Xangô
    16:48 A modernidade não cumpriu o seu papel
    22:05 Unhas e dentes
    25:03 Farpa / Samba de classe
    30:36 Cara de tanga
    34:25 Ira
    39:17 Aos mestres
    42:30 Santo Guerreiro
    47:13 Como os pássaros

    Deezer:
    Google Play:
    iTunes:
    Spotify:

    NÃ suporta:

    Thiago Babalu - bateria;
    Bjanka Vijunas - voz;
    Fernanda Broggi - voz;
    Rafael Noleto - voz;
    Thiago Pereira - double bass;
    Renato Ribeiro - guitarra/violão;
    Rogério Marttins - percussão/clarinete/sample;
    Michel de Moura - guitarra/voz
    Lais Gouvêa - fotografia
    Miguel Barros - arte
    Diogo Soares - mídia

    Gravado no estúdio da Mata e no Family Mob entre agosto e novembro de 2015.

    Mixado por Thiago Babalu e Fernando Sanches.

    Masterizado por Fernando Sanches no estúdio El Rocha.

  • Guinga e Quinteto Villa-Lobos | Nítido e Obscuro | Instrumental Sesc Brasil

    4:42

    O Quinteto Villa-Lobos é certamente o mais duradouro conjunto musical brasileiro de música de câmara. Está comemorando 50 anos de atividade ininterrupta, marcada sempre por inigualável nível de excelência. O lançamento do CD gravado para o Selo SESC: Rasgando Seda: Guinga + Quinteto Villa-Lobos, é dedicado à música de Guinga, considerado um dos mais importantes compositores brasileiro da atualidade.

    Formação:
    Guinga - violão
    Antonio Carlos Carrasqueira - flauta
    Luís Carlos Justi - oboé
    Paulo Sérgio Santos - clarinete
    Aloysio Fagerlande - fagote

    Gênero:
    Instrumental

    Show que ocorreu no Teatro Anchieta do Sesc Consolação dia 22/04/2013
    • site oficial:
    • assista aos shows ao vivo pelo

    Inscreva-se no canal e fique por dentro de toda a programação que acontece nas unidades do Sesc no estado de São Paulo.
    Basta ter uma conta gratuita no Google.

  • Paulinho da Viola e convidados- Roendo as unhas - Heineken Concerts 1994 - Rio de Janeiro

    4:04

    Paulinho da Viola & Convidados

    Hotel Nacional - Rio de Janeiro - abril/1994

    Paulinho da Viola

    Gilberto Gil

    Canhoto da Paraíba

    Velha Guarda da Portela:
    Argemiro da Portela
    Casquinha
    Cabelinho
    Casemiro da Cuíca
    Guaracy do Violão
    David do Pandeiro
    Jair do Cavaquinho
    Monarco
    Serginho Procópio
    Áurea Maria
    Doca
    Eunice
    Surica


    Roendo As Unhas
    Paulinho da Viola
    Composição: Paulinho da Viola

    Meu samba não se importa que eu esteja numa
    De andar roendo as unhas pela madrugada
    De sentar no meio fio não querendo nada
    De cheirar pelas esquinas minha flor nenhuma

    Meu samba não se importa se eu não faço rima
    Se pego na viola e ela desafina
    Meu samba não se importa se eu não tenho amor
    Se dou meu coração assim sem disciplina

    Meu samba não se importa se desapareço
    Se digo uma mentira sem me arrepender
    Quando entro numa boa ele vem comigo
    E fica desse jeito se eu entristecer


    HEINEKEN CONCERTS

    Projeto & Produção : LPC Projetos Culturais
    Direção : Toy Lima

  • Guinga - Mingus Samba Part.Especial Lenine

    2:25

    Comprar/Ouvir nas plataformas digitais:

    Siga a Galeão nas redes sociais:
    Facebook:
    Instagram:

    Mingus Samba (Guinga/Aldir Blanc)
    Suíte Leopoldina
    1999 Gravadora Velas/Galeão

    4ºCD da carreira do cantor, compositor e violonista. Com participações de Chico Buarque, Nei Lopes, Ed Motta, Alceu Valença, Toots Thielemans, Ivan Lins e Lenine.

    Letra:
    Balangandã da baiana...
    Maracanã do Carvana...
    Deixa a Chiquita bacana voltar!
    Mane Garrincha sacana...
    Tá bem, nós somos bananas
    Mas não é preciso se embananar.
    Mingus veio ao mangue:
    Ô my god
    Ai, que bode
    Que vai dar...
    Mingus com seu som
    Vai botar o mingau
    A knockdown.
    Mingus, senta o pau
    Que o pitecantropus
    Tem que mamá
    Mamba, Mingus,
    Mani-pi-cao!
    Mingus me sacudiu:
    Tchan, tchau!
    Ô, ô, morena faceira,
    Ai, ai, cubana mañera,
    Hoje é do Mingus o meu carnaval.
    Ai, caboclinha, me aqueça
    Transforma a quinta e a terça
    Em feriados, do-Mingus de sol!
    Ai, que mistura que dá...
    Ôi, zum-zum-zum resedá...
    Vou com o Mingus e um primo do Nei
    No domingo pra Piabetá.
    Ai, ai, Iaiá de Ioiô,
    Mingus te manda um hello
    Já tomamo umazinha
    E há o bafo da onça na onda que eu vou...
    Mamba, Mingus,
    Mani-pi-cao
    Mingus samba e pinga
    Jazz de coringa na geral!

  • Um minuto de samba !!!

    1:06

    Samba de familia ...

  • Samba Manco - Part. Mavi Pugliesi

    3:16

    Ze Manoel: piano e voz
    Adelson Silva: bateria
    Bráulio Araújo: contrabaixo acústico
    Lucas dos Prazeres: percussão
    Parrô Mello: sax barítono
    Grupo Bongar: introdução
    Mavi Pugliesi: voz

  • Nítido e Obscuro-Guinga e Aldir Blanc

    1:42

  • Salgueiro 1963 - Xica da Silva

    3:19

    Final do obscuro filme Samba, com um registro do célebre carnaval que o Salgueiro levou pra avenida. Esse desfile é histórico pois foi o ponto de partida para uma transformação nos desfiles, que adotaram a partir daí um carater cada vez mais teatral e plástico.

    Essa cena é talvez o unico registro em video desse enredo, mas não se trata da apresentação feita pela escola no dia do desfile, mas de uma representação, com carater documental é verdade, do que foi esse maravilhoso momento do carnaval carioca.

    A atriz principal do filme, Sara Montiel, participa dessa cena cantando o samba do Salgueiro.

  • POLICIA E BANDIDO - ARLINDO CRUZ E DBS GORDÃO CHEFE CARICA E DJ NEGRO RICO

    5:32

    ENCONTRO HISTORICO ENTRE O MAIOR COMPOSITOR DO SAMBA NA ATIVIDADE E MAIOR NOME DA NOVA GERAÇÃO DO RAP NACIONAL OS GORDÕES DO SAMBA E DO RAP NO PALCO DA ADPM AINDA CARICA (GRUPO SENSAÇÃO) E DJ NEGRO RICO UM DOS MAIORES DJ DO BRASIL

    CURIOSIDADES ARLINDO FOI REVELADO NO CACIQUE DERAMOS NO RIO DE JANEIRO QUE REVELOU NOME COMO ZECA PAGODINHO, LECI BRANDÃO, JORGE ARAGÃO , O PROPRIO FUNDO DE QUINTAL FOI FORMADO NO CACIQUE, ALMIR GUINETO, ALCIONE E MUITO OUTRO CONSIDERADO UM GRANDE SELERO DE TALENTO.

    O RAPPER DBS FOI REVELADO NA FAMILIA RZO RESPONSAVEL POR REVELA NOME COMO O MAESTRO SABOTAGE , NEGRA LI A DIVA DO HIP HOP NACIONAL, O RZO QUE É CONSIDERADO UM DOA MAIORES GRUPO DE TODO OS TEMPO ESCREVEU SEU NOME NA HISTORIA DO HIP HOP , O TIME , DOM PIXOTE , MARRON, NEGRO UTIL É CONSIDERADO O CACIQUE DE RAMOS DO RAP DEVIDO AO NUMERO DE REVELAÇÃO RELEVANTE COM ESTILO E HISTORIA QUE MARCARÃO O CENARIO E JÉ FAZ PARTE DA HISTORIA DO RAP . HISTORIAS E HISTORIAS DBS E ARLINDO TEM DADO AS CARTA NA CENA ATUAL E TEM JOGADO COM GRANDE TALENTO E INTELIGENCIA APLAUSO AOS GORDÕES E SUA LETRA E ESTILO INCONFUDIVEIS

  • Samba-tensão

    6:44

    o nog fez essa musica e mostrou lá. e a gnt ficou tentando construir. de primeira deu isso

  • Sibipiruna - 04/03/12

    4:07

    Projeto de Samba Sibipiruna
    domingo, 04/03/12... muita alegria, amigos reunidos, e samba de qualidade ;)

  • 03 - Jongo da Manuela

    3:36

    3- Jongo da Manuela (Jonathan Silva) /
    Santo Antônio de Catigeró (Kiko Dinucci)

    Eu vou levar meu jongo
    Pra minha mãe benzer (4X )

    Oi benza eu, benza eu
    Oi benza eu, benza eu
    Oi benza Deus, clareia meu viver

    A filha do Léo é Manuela
    Aquela moça na janela
    Não pára de me espiar
    Menino corre vai lavar a mão
    Na mesa tem pirão
    Sua vó mandou chamar ...

    *Caiu quebrou o santinho da vovó
    Santo Antonio de Catigeró (bis)
    Catigeró não é São Benedito
    São Benedito não é Catigeró
    Vovó errou o canto do bendito
    Vento soprou o santinho da vovó

    Eu vou levar meu jongo...

    Voz e violão : Jonathan SIlva
    Vocais e palmas : Filpo Ribeiro, Dani ZUlu e Jonathan SIlva
    Rabeca : Filpo Ribeiro
    Percussão : Dani ZUlu

    * Santo Antonio de Catigeró ( autor : Kiko Dinucci )

  • Nítido e Obscuro

    2:08

    Nítido e Obscuro (Guinga e Aldir Blanc) - Ariane Rovesse, clarinete; Thiago Diniz, violão. - Recital de alunos do Cefar - Palácio das Artes

  • Kiko Dinucci - Ronda

    3:55

    Sesc Pompeia @ São Paulo
    9 de março de 2017

  • Kiko Dinucci e Marcelo Pretto - Anjo Protetor

    3:54

    Kiko Dinucci - álbum: Na boca dos outros, 2009

  • Banda de Pífanos de Umburanas - O Samba

    1:36

    Composição de Edvaldo Raimundo dos Santos. Com a Banda de Pífanos de Umburanas (distrito de Sertânia, próximo a Arcoverde): seu Valdo (Edvaldo Raimundo dos Santos), primeiro pífano; Nena (Edízio Raimundo dos Santos), caixa; Naldo (Erinaldo Raimundo dos Santos), zabumba.
    Gravação feita no dia 2 de fevereiro de 2004, na Igreja de N. S. da Conceição, em Umburanas.

    Quando chegamos ao povoado de Umburana no dia da gravação, fomos encontrar os músicos na casa de seu Valdo. A igreja fica a cerca de 500 metros de lá. No momento de dirigir-nos para lá, para nossa surpresa, os quatro integrantes da banda pegaram seus instrumentos e começaram a tocar, assim seguindo por todo o trajeto. Entraram na igreja tocando, saudaram o altar e a santa, e só depois liberaram a arrumação dos microfones para a gravação.
    .
    Faixa 09 do 1° CD do álbum Responde a Roda Outra Vez: Música Tradicional de Pernambuco e da Paraíba no Trajeto da Missão de 1938 (

    Responde a roda outra vez

    Em Pernambuco e na Paraíba, como talvez em outros lugares do país, responder a roda quer dizer cantar um refrão coletivo. Em muitas manifestações musicais populares, há alguém que tira o verso individualmente, improvisando segundo a ocasião ou recorrendo às quadrilhas populares conhecidas de todos. Mas o verso não existe sem sua resposta: o refrão que é entoado pelo coral espontâneo constituído por todos os presentes. Cantar a resposta de uma roda, por exemplo, porque já era conhecida, ou porque foi aprendida após duas ou três repetições, é manifestar adesão a uma sociabilidade baseada na interação direta, onde cantar, dançar e festejar são uma coisa só.
    Os dois CDs aqui apresentados são frutos de pesquisa desenvolvida em 2003 e 2004, em municípios do interior de Pernambuco e da Paraíba. Entre tantos outros municípios, estes foram escolhidos por terem sido visitados em 1938, pela famosa Missão de Pesquisas Folclóricas enviada ao Nordeste por Mário de Andrade. A intenção do presente projeto, no entanto, não foi refazer a viagem da Missão. Desenvolvido por pesquisadores locais, inseridos em instituições locais, trabalhando de maneira continuada com as comunidades em questão, ele nada tem a ver com o formato missão, que foi fundamental em 1938, mas hoje, pelo menos na área do presente trabalho, não se justifica mais.
    A pesquisa teve como guia as localidades percorridas pela Missão e as gravações feitas por ela. Mas procurou também fazer um retrato - parcial e subjetivo, como todo retrato - da música tradicional de Pernambuco e da Paraíba hoje, tal como fez a equipe de 66 anos atrás. A comparação entre os dois retratos pode dar boas pistas sobre as transformações culturais acontecidas no Nordeste nas últimas décadas. Sempre que há uma correspondência entre o que foi gravado por nós e as gravações da Missão, há referência, nas informações sobre a faixa correspondente, ao número do fonograma e ao número da página do Catálogo Histórico-Fonográfico da Discoteca Oneyda Alvarenga (doravante, CHF), organizado por Álvaro Carlini e Eglê Alonso Leite (Centro Cultural São Paulo, 1993), que é o principal instrumento de pesquisa sobre os registros sonoros feitos pela equipe de 1938.
    Toda a documentação reunida pela pesquisa, da qual naturalmente apenas um fragmento pode ser apresentado aqui, está em organização e poderá ser consultada nos acervos do Núcleo de Etnomusicologia da UFPE e do Laboratório de Estudos da Oralidade UFPB. Um convênio está sendo negociado para disponibilizar a documentação também no Centro Cultural São Paulo, que já abriga o acervo da Missão.
    As gravações foram feitas nas respectivas comunidades, ao ar livre ou em igrejas, casas de família, escolas e clubes. Algumas foram feitas por um ou dois pesquisadores, usando um gravador DAT portátil e um par de microfones. A maior parte foi feita pela Unidade Móvel do Núcleo de Etnomusicologia da UFPE, usando um computador portátil, uma interface de áudio e até oito canais de gravação digital. Estas foram feitas entre janeiro e abril de 2004. Entre as gravações feitas com DAT (assinaladas nas respectivas faixas), algumas se deram dentro de contextos festivos e/ ou rituais, com a permissão, é claro, das comunidades envolvidas. Nas demais, os intérpretes cantaram e tocaram a nosso pedido, fora de contexto festivo ou ritual.
    As transcrições das letras foram revisadas com a ajuda dos cantadores, mas mesmo assim algumas partes ainda ficaram obscuras. Os versos ou palavras cuja revisão deixou dúvidas estão seguidos de ponto de interrogação. Nas transcrições, não se pretendeu nenhuma fidelidade fonética às variantes dialetais, visto que a escrita da chamada norma culta do português também não obedece à fonética. Exceções foram os casos em que há intenção cômica, ou em que o uso da variante tem consequências sobre a métrica ou a rima. (Carlos Sandroni, Maria Ignez Novais Ayala e Marcos Ayala)

    Continuação abaixo.

  • Onda Radio 023: Coco Maria

    56:52

    Joyas del caribe bajo la elegante selección de Coco Maria, residente de Club Coco en worldwide.fm

    Follow Onda Mundial

    Spotify:
    Instagram:
    Facebook:
    Twitter:
    Soundcloud:

    Follow Coco Maria

    Instagram:
    Soundcloud:

  • Pelas Tabelas - Kiko Dinucci e Rodrigo Campos

    14:49

    Pelas Tabelas - 2ª temporada.
    Concepção e direção: Caio Jobim e Pablo Francischelli

  • Samba Dolores de Zé - Thiago e os Quase Quinze

    4:42

    Para enfeitar a noite do meu bem,
    O que que há, o que é que tem?

    Para enfeitar a noite do meu bem,
    Uma casa e 3 filhos ou cativeiro e refém
    Um corte granfino, um talho de acém
    Um delito no escuro, um milagre do além
    O Ministério adverte, o fiel diz Amém

    Original, de etiqueta ou igualzinho “que nem”
    Se tá bom hoje sobra, se tá mal fica sem
    Maçã, Adão, Eva e Cobra. Carreira em notas de cem
    Adivinha quem fala e me diz de onde é que vem

    Para enfeitar a noite do meu bem,
    O que que há, o que é que tem?

    Para enfrentar a noite do meu bem,
    Cafuné carinhoso ou chicote e desdém
    O vento que liberta, o muro que detêm
    Um amor soberano ou só parte do harém
    Um guru que ilumina, um doutor que intervêm

    Se é mais do que tem tá caro, se tá barato... obtém
    É de mão dada na rua ou espremido no trem
    Se só tem um é raro, se tem mais é também
    A ciência nua e crua ou o palpite de alguém

    Se te encanto um pouquinho, se meu canto convém
    Eu violo essa noite, o violão te entretêm
    Se tá pouco eu resolvo, se tá muito... mantém
    Se sacode essa noite! Vai que o dia não vem

    Para enfeitar a noite do meu bem,
    O que que há, o que é que tem?

  • 03 Cabritada Mal Sucedida - Jards Macalé ao vivo em Vitória, 1981

    7:17

Menu