This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Learn more

Playlist of Paêbirú

x
  • Paêbirú - Album Completo - Lula Côrtes e Zé Ramalho

    55:38

    0:00 Trilha de Sumé/Culto à Terra/Bailado das Muscarias
    13:06 Harpa dos Ares
    17:01 Não Existe Molhado Igual ao Pranto
    24:24 Omm
    30:19 Raga dos Raios
    32:49 Nas Paredes da Pedra Encantada, Os Segredos Talhados Por Sumé
    40:14 Maracás de Fogo
    42:40 Louvação à Iemanjá/Regato da montanha
    47:52 Beira mar
    49:26 Pedra Tempo Animal
    53:35 Sumé

    Don't forget to buy the release if you liked it:

    Se gostou, compre o álbum :)

  • x
  • Lula Cortes and Ze Ramalho - Paebiru

    56:49

    Available Here:

    Re-pressed special edition - super-high quality card sleeve, printed in Japan

    The vinyl version is a special edition 2-LP pressing, finished to exactly match the original release, including the 8 page jacket size booklet

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    Paebiru is an obscure Brazilian psych concept album about the four elements that was lost to time in a warehouse fire in 1974. This led to it becoming a massively sought-after classic, fetching up to $4,000 for original vinyl copies.

    Lula, who composed and played on the tracks sadly passed away in 2011 after fighting a long battle with cancer.

    Paebiru offers a very atmospheric blend of both artists' sensibilities: sung and chanted vocals are no more or less important than any of the other elements, which include classical acoustic and fuzzy electric guitar, piano, organ, flute, sax and a range of percussion. It's free and psychedelic, but just reigned in enough to keep it tense and exciting.

    In Brazil, from the late 1960's onward, Caetano Veloso, Jorge Ben, Tom Ze and many others blended elements of psychedelic rock, jazz and indigenous folk with more 'classicâl' instrumentation and urban styles such as bossa nova and samba. As much a political identity movement as a cultural one, Tropicalia, as it came to be known, artists as a whole were interested in using artistic expression to remove barriers and as a means of enabling other societal freedoms.

    Mr Bongo Records Online:




    For information regarding licensing please contact us via

  • x
  • Lula Cortês & Zé Ramalho - Paêbirú

    55:38

    TERRA
    01 - 00:00 Trilha de Sumé / Culto à Terra / Bailado das Muscarias

    AR
    02 - 13:05 Harpa dos Ares
    03 - 17:02 Não Existe Molhado Igual ao Pranto
    04 - 24:25 OMM

    FOGO
    05 - 30:21 Raga dos Raios
    06 - 32:47 Nas Paredes da Pedra Encantada, os Segredos Talhados por Sumé
    07 - 40:13 Maracás de Fogo

    ÁGUA
    08 - 42:40 Louvação à Iemanjá / Regato da Montanha
    09 - 47:51 Beira Mar
    10 - 49:26 Pedra Templo Animal
    11 - 53:35 Sumé


    A primeira vez que o Brasil ouviu Zé Ramalho da Paraíba foi na voz de Vanusa, que gravou a canção Avohay em seu disco “Vanusa – 30 Anos”, em 1977, pela Som Livre. Um ano após, já sem o ‘Paraíba”, Zé Ramalho ganhou as paradas nacionais com sua enigmática e encantadora mistura sonora. Antes disso, no entanto, tão fantástica quanto suas letras, a história de Zé Ramalho registra a gravação de um disco que ficou perdido nos escaninhos do tempo.

    Trata-se do raríssimo álbum duplo “Paêbirú”, creditado a Lula Cortês e Zé Ramalho, gravado entre os meses de outubro e dezembro de 1974, na gravadora Rozemblit, em Recife (PE). Com eles, estão Paulo Rafael, Robertinho de Recife, Geraldo Azevedo e Alceu Valença, entre outros. Na época, Lula Cortês tinha em seu currículo o álbum “Satwa” (1973), que trazia canções com título como “Alegro Piradíssimo”, “Blues do Cachorro Louco” e “Valsa dos Cogumelos”. Zé Ramalho, já tocando com Alceu Valença, tinha em sua bagagem a experiência de grupos de Jovem Guarda e beatlemania, como Os Quatro Loucos, o mais importante de todo o Nordeste.

    Clássico do pós-tropicalismo, com (over)doses de psicodelia, o álbum trazia seus quatro lados dedicados aos elementos “água, terra, fogo e ar”. Nesse clima, rolam canções como o medley “Trilha de Sumé/Culto à Terra/Bailado das Muscarias”, com seus 13 minutos de violas, flautas, baixão pesado, guitarras, rabecas, pianos, sopros, chocalhos e vocais “árabes”, ou a curta e ultra-psicodélica “Raga dos Raios”, com uma fuzz-guitar ensandecida. E, destaque do álbum, a obra-prima “Nas Paredes da Pedra Encantada, Os segredos Talhados Por Sumé” (regravada por Jorge Cabeleira, com participação de Zé Ramalho), com seu baixo sacado de Goin’ Home dos Rolling Stones sustentando os mais pirados 7 minutos do que se pode chamar de psicodelia brasileira.

    O disco por si só é uma lenda, mas ficou mais interessante ainda pelas situações que envolveram a sua gravação. A gravadora Rozenblit ficava na beira do rio Capiberibe, e o disco, depois de gravado, foi levado por uma das enchentes que assolavam a região. Conta a lenda que sobraram apenas umas trezentas cópias do disco, hoje nas mãos de poucos e felizardos colecionadores, muitas das quais no exterior, onde foram parar a preço de ouro. Contando com a co-produção do grupo multimídia Abrakadabra, o disco trazia um rico encarte, que também sucumbiu ao aguaceiro.

  • Paêbirú - Não existe molhado igual ao pranto

    7:34

    Lula Côrtes & Zé Ramalho - Paêbirú (1975)

    Brazilian Fusion Master Piece

  • x
  • Lula Côrtes & Zé Ramalho Paêbirú Gatefold Vinyl 2xLP Special Edition

    1:13

    Available from

    Lula Côrtes & Zé Ramalho Paêbirú Gatefold Vinyl 2xLP Special Edition

    To license this track or any of our music, please contact us - For information regarding licensing please contact us via

  • Lula cortes and Lailson- Satwa 1973 part 1

    13:11

    From album : Satwa (1973)

    Songs:
    01- Satwa
    02- Can i Be Sarwa
    03- Allegro piradíssimo (Allegro Freakoutissimo

    Personnel:

    Lula Cortes : Morroco sitar
    Lailson : 12 strings guitars and vocals

    Brazillian psychedelic rock, mixing brazillian northeast rythms with oriental indian influences.


    LULA CORTES
    .
    Luiz Augusto Martins Côrtes (March,9, 1949 - Recife March 29, 2011),

    Was a singer, songwriter, painter, actor, and Brazillian poet.
    It was one of the first to mix regional brazillian northeastern rhythms with rock and roll, along with Ze Ramalho and other artists.
    In Partnership with Lailson (Lailson de Holanda Cavalcanti (Recife, December 26, 1952) is a famous, cartoonist, designer of comics, musician, publicist and Brazilian journalist) released in early 1973 the Satwa album, the first independent album of modern Brazilian music, with the participation of musicians who would later consecrated as Robertinho of Recife. The album came to be revived in the 2000s in the United States by Time-Lag Records Record.
    In 1975, released the rare and cult album Paêbirú double with Ze Ramalho. Almost all copies of the album were destroyed in a flood, making it very difficult to find. The album was re-released in 2005 by the German label Shadoks Music and in 2008 in England by Mr. Bongo label (MRBCD050) .

    In 1976 was part of the band Alceu Valença. (famous rock regional northeast musician born in 1946, and sold more 6 000.000 albuns in Latin America, France , EUA,and Germany) After that, he recorded some solo albums by Rozenblit label that were never released. Among them is Blood Rose, which in 2009 was finally released by the US label Time-Lag Records (Time-Lag 041) . In 1980 finally had a solo album out called “ O gosto novo da vida “ (The New Taste of Life, ) by Ariola label.
    During the 1980s, most of his works were produced with the band Má Companhia .(trasl: “bad company”) Cortes also did some collaborations with Ze Ramalho in other albums, including the debut album of 1978 singer Zé Ramalho, De Gosto de Água e de Amigos( Taste of water and friends) and Cidades e Lendas(cities and legends) in 1996.

    He also published poem books 9

    On the morning of March 26, 2011, Lula Cortes died at age 61, victim of throat cancer in Barão de Lucena Hospital in Recife

    Discocraphy:
    • Satwa (Rozenblit, 1973), with Lailson
    • Paêbirú (Rozenblit, 1975), with Zé Ramalho
    • Nordeste, Repente e Canção (Discos Marcus Pereira, 1975), with Zé Ramalho
    • Rosa de Sangue 1980 (Blood Rose) (re- released by time leg records in 2009)
    • A Mística do Dinheiro (The mistic of Money)
    • BOM SHANKAR BOLENATH ( instrumental 1980)
    • O Gosto Novo da Vida ( The new Taste of Life) (Ariola, 1980)
    • Lula Cortes & Má Companhia (1997).

  • x
  • Lula cortes and Lailson -Satwa 1973 part 3

    13:43

    Album : Satwa (1973)

    Songs

    08-Blues do Cachorro Muito Louco (Very Crazy Dog Blues)
    09-Valsa dos Cogumelos (Mushroom Waltz)
    10- Alegria do Povo (Joy of the People)

    Brazillian psychedelic rock, mixing brazillian northeast rythms with oriental indian influences.

    Personnel
    Lula Cortes: Morrocco Sitar
    Lailson : 12 strings guitar and vocals
    Robertinho do Recife (Lead Guitar on Very Crazy Dog Blues)

    LULA CORTES

    .
    Luiz Augusto Martins Côrtes (March,9, 1949 - Recife March 29, 2011),

    Was a Brazillian singer, songwriter, painter, actor, and poet.
    It was one of the first to mix regional brazillian northeastern rhythms with rock and roll, along with Ze Ramalho and other artists.
    In Partnership with Lailson (Lailson de Holanda Cavalcanti (Recife, December 26, 1952) is a famous Brazilian, cartoonist, designer of comics, musician, publicist and journalist) released in early 1973 the Satwa album, the first independent album of modern Brazilian music, with the participation of musicians who would later consecrated as Robertinho of Recife. The album came to be revived in the 2000s in the United States by Time-Lag Records Record.
    In 1975, released the rare and cult album Paêbirú double with Ze Ramalho. Almost all copies of the album were destroyed in a flood, making it very difficult to find. The album was re-released in 2005 by the German label Shadoks Music and in 2008 in England by Mr. Bongo label (MRBCD050) .

    In 1976 was part of the band Alceu Valença. (famous rock regional northeast musician born in 1946, and sold more 6 000.000 albuns in Latin America, France , EUA,and Germany) After that, he recorded some solo albums by Rozenblit label that were never released. Among them is Blood Rose , which in 2009 was finally released by the US label Time-Lag Records (Time-Lag 041) . In 1980 finally had a solo album out called “ O gosto novo da vida “ (The New Taste of Life, ) by Ariola label.
    During the 1980s, most of his works were produced with the band Má Companhia .(trasl: “bad company”) Cortes also did some collaborations with Ze Ramalho in other albums, including the debut album of 1978 singer Zé Ramalho; De Gosto de Água e de Amigos( taste of water and friends) and Cidades e Lendas(cities and legends) in 1996.

    He also published poem books 9

    On the morning of March 26, 2011, Lula Cortes died at age 61, victim of throat cancer in Barão de Lucena Hospital in Recife

    Discocraphy:
    • Satwa (Rozenblit, 1973), with Lailson
    • Paêbirú (Rozenblit, 1975), with Zé Ramalho
    • Nordeste, Repente e Canção (Discos Marcus Pereira, 1975), with Zé Ramalho
    • Rosa de Sangue 1980 (Blood rose) (re- released by time leg records in 2009)
    • A Mística do Dinheiro (The mistic of money)
    • BOM SHANKAR BOLENATH ( instrumental 1980)

  • Vitrola Mente Aberta - Paêbirú, de Lula Côrtes e Zé Ramalho

    2:26

    Este é o Vitrola Mente Aberta, programa dedicado ao lançamento de vinis. Nesta edição, falamos do disco mais raro do Brasil: Paêbirú, de Lula Côrtes e Zé Ramalho

  • Entrevista sobre o Paêbirú

    7:18

    Entrevista com Carlos Carneiro e Leo Bomfim sobre o documentário Paêbirú.

  • x
  • Paêbirú - Regato da Montanha

    3:26

    Paêbirú, (Peabiru ou Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol caminho que se estendia por mais de mil e duzentos quilômetros da costa brasileira do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico) é um álbum brasileiro lançado no ano de 1975 por Lula Côrtes e Zé Ramalho. O disco contém uma grande miscelânea de gêneros musicais como o rock psicodélico, jazz, e ritmos regionais do Nordeste Brasileiro. Foi um dos primeiros discos não declarados da psicodélia brasileira.[1] O disco é hoje o vinil com maior valor comercial no Brasil, bem conservado, um disco da edição original vale em torno de 4 mil reais.[2]
    Fonte:

    Paêbirú is an album by Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho. The album was originally released in 1975 (see 1975 in music) and reissued in 2005 on Shadoks Music.
    Allegedly, almost all of the original copies of the album were destroyed in a river flood, making it incredibly hard to find [1]. Since its reissue, it has been widely acknowledged as a lost gem of the Brazilian psychedelic movement of the 1960s and 1970s.
    Source:

  • Paêbirú - Bailado das Muscarias

    4:35

    Bailado das Muscarias, do LP Paêbirú, de Lula Côrtes e Zé Ramalho.
    Original picture at:

  • Lula Côrtes e Zé Ramalho ‎– Paêbirú

    56:49

    T E R R A

    A#1 [a] - Trilha De Sumé
    A#1 [b] - Culto À Terra
    A#1 [c] - Bailado Das Muscarias

    A R

    B#1 - Harpa Dos Ares
    B#2 - Não Existe Molhado Igual Ao Pranto
    B#3 - Omm

    F O G O

    C#1 - Raga Dos Raios
    C#2 - Nas Paredes Da Pedra Encantada, Os Segredos Talhados Por Sumé
    C#3 - Marácas De Fogo

    Á G U A

    D#1 [a] - Louvação A Iemanjá
    D#1 [b] - Regato Da Montanha
    D#2 - Beira Mar
    D#3 [a] - Pedra Templo Animal
    D#3 [b] - Trilha De Sumé



    Notes
    Original Brazilian issue
    Recorded at Rozenblit studios between October and December 1974
    Includes 8-page booklet attached inside the gatefold sleeve
    according to the legend 700 copies from 1000 made were destroyed in a huge flood leaving us only 300 ones

  • Zé Ramalho - Força Verde

    5:31

    Zé Ramalho (Brejo do Cruz - Paraíba / Brasil)

    José Ramalho Neto nasceu em 3 de outubro de 1949 na cidade de Brejo do Cruz, no sertão da Paraíba, no Brasil, a 380 quilômetros da capital, João Pessoa, filho de Estelita Torres Ramalho, uma professora do ensino fundamental, e Antônio de Pádua Pordeus Ramalho, um seresteiro.

    Quando tinha dois anos de idade, seu pai se afogou em uma represa do sertão, e passou a ser criado por seu avô. A relação entre os dois seria mais tarde homenageada na canção Avôhai. Após passar a maior parte da sua infância em Campina Grande, sua família se mudou para João Pessoa. Esperava-se que ele se formasse em Medicina.

    Assim que a família se estabeleceu em João Pessoa, ele participou de algumas apresentações de Jovem Guarda, sendo influenciado por Renato Barros, Leno e Lílian, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Golden Boys, Beatles, Rolling Stones, Pink Floyd e Bob Dylan. Em 1974, seu primeiro filho com Ízis, Christian, nasceu.

    Antes de compor, ele escrevia versos de cordel.

    Em 1974, ele tocou na trilha sonora do filme Nordeste: Cordel, Repente e Canção, de Tânia Quaresma. Na época, passou a misturar as suas influências: de Rock n Roll a forró. Um ano depois, gravou seu primeiro álbum, Paêbirú, com Lula Côrtes na gravadora Rozenblit. Hoje em dia, as cópias desse disco valem muito por serem raras.

    Em 1976, mudou-se para o Rio de Janeiro.

    Em 1977, gravou seu primeiro álbum solo, Zé Ramalho. No próximo ano, seu segundo filho, Antônio, nasceu.

    Em 1979, veio o terceiro filho, João, fruto de sua relação com a cantora Amelinha, e também o segundo álbum, A Peleja do Diabo com o Dono do Céu. Ainda neste ano, produz o álbum 20 Palavras ao redor do Sol, primeiro trabalho de Cátia de França. Mudou-se para Fortaleza em 1980, onde escreveu seu livro 'Carne de Pescoço'. O terceiro álbum A Terceira Lâmina, foi lançado em 1981, ano em que nasceu sua primeira filha, Maria Maria; logo após, veio o quarto disco, Força Verde, em 1982.

    Em 1983, após o lançamento do quinto álbum, Orquídea Negra, terminou sua relação com Amelinha Collares. Depois de gravar Pra Não Dizer que Não Falei de Rock (também conhecido como Por Aquelas que Foram Bem Amadas), no início do ano de 1984, casou com Roberta Ramalho, com quem é casado até hoje.

    Os anos 80 seriam palco de uma queda no sucesso de Zé Ramalho, com o lançamento dos álbuns De Gosto de Água e de Amigos (1985), Opus Visionário (1986) e Décimas de um Cantador (1987). Uma possível causa dessa fase ruim seria o uso de experimentalismo na música. Em 1990 e 1991, ele tocou nos Estados Unidos para um público brasileiro.

    Em 2012, lançou o seu primeiro disco de inéditas em cinco anos, Sinais dos Tempos, por meio de sua nova gravadora própria, Avôhai Music.

    No dia 22 de setembro de 2013, tocou ao lado da banda de metal Sepultura no palco Sunset do Rock in Rio 2013, no espetáculo que foi chamado de Zépultura. O show foi bastante elogiado pela crítica, e agradou ao público presente. Vale lembrar que essa parceria já havia acontecido anteriormente, quando eles gravaram juntos a canção A Dança das Borboletas que fez parte da trilha sonora do filme Lisbela e o Prisioneiro (2003).

  • Sá & Guarabyra - Quatro - COMPLETO

    38:20

    Álbum lançado em 1979.

    01. [00:00] Sete Marias
    02. [03:47] Wonder woman (falso inglês)
    03. [07:44] Peixe voador
    04. [10:58] Polaca Mineira
    05. [14:05] Pássaro
    06. [16:35] Flora medicinal
    07. [19:41] Vem queimando a nave louca
    08. [23:55] Alucinante Alice
    09. [27:29] Chão de poeira - Cigarro de palha
    10. [30:54] Chuva do Campo
    11. [34:52] Baquiá

  • Paêbirú - Harpa dos Ares

    4:02

    Paêbirú, (Peabiru ou Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol caminho que se estendia por mais de mil e duzentos quilômetros da costa brasileira do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico) é um álbum brasileiro lançado no ano de 1975 por Lula Côrtes e Zé Ramalho. O disco contém uma grande miscelânea de gêneros musicais como o rock psicodélico, jazz, e ritmos regionais do Nordeste Brasileiro. Foi um dos primeiros discos não declarados da psicodélia brasileira.[1] O disco é hoje o vinil com maior valor comercial no Brasil, bem conservado, um disco da edição original vale em torno de 4 mil reais.[2]
    Fonte:

    Paêbirú is an album by Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho. The album was originally released in 1975 (see 1975 in music) and reissued in 2005 on Shadoks Music.
    Allegedly, almost all of the original copies of the album were destroyed in a river flood, making it incredibly hard to find [1]. Since its reissue, it has been widely acknowledged as a lost gem of the Brazilian psychedelic movement of the 1960s and 1970s.
    Source:

  • Zé Ramalho - Visões de Zé Limeira Sobre o Final do Século XX

    6:08

    Music video by Zé Ramalho performing Visões de Zé Limeira Sobre o Final do Século XX (Pseudo Video). (C) 1982 Sony Music Entertainment (Brasil) I.C.L.

  • Paêbirú - Omm - Lula Côrtes e Zé Ramalho

    6:04

    Song from Paêbirú, obscure psychedelic masterpiece from Recife, Brasil, 1974.
    Pictures, inspired by Ayahuasca visions by Pablo Amaringo, peruvian painter and shaman.

  • Jorge Cabeleira & o Dia Em Que Seremos Todos Inúteis - Rec Beat 2013

    6:23

    A banda ganhou destaque entre as que surgiram no âmbito do manguebeat, no início dos anos 90. Influenciada por experiências psicodélicas do rock pernambucano da década de 70, de artistas como Alceu Valença (Vivo!) e Lula Côrtes (Paêbirú), a banda se reúne para comemorar 20 anos de formação, depois de um hiato de 10 anos longe dos palcos.

  • O novo disco do Guns n’ Roses e outras notícias do mundo da música | Notícias | Alta Fidelidade

    37:13

    Canal do Clemente -

    No vídeo de hoje, as principais notícias dessa semana no mundo da música:

    SLASH AFIRMA QUE GUNS N’ ROSES COMEÇA GRAVAÇÃO DE DISCO EM BREVE

    FÃS DO GREEN DAY DETONAM PARCERIA DE BILLIE JOE ARMSTRONG COM MORRISSEY

    ENGENHEIRO DE SOM DIZ QUE AC/DC ESTÁ EM ESTÚDIO

    LÍDER DOS STROKES DETONA O SPOTIFY

    RESENHA DO CD: “NANA CAYMMI CANTA TIDO MADI” (NANA CAYMMI)

    KING CRIMSON, WEEZER E DAVE MATTHEWS BAND AGENDAM SHOWS EM SÃO PAULO, SEGUNDO JORNAL -

    MICK JAGGER SE RECUPERA DE CIRURGIA NO CORAÇÃO -

    ROLLING STONES ANUNCIAM DVD DE SHOW NA ALEMANHA EM 1998 -

    NEIL YOUNG GRAVA ÁLBUM COM A CRAZY HORSE -

    CD TRIPLO DE RARIDADES DE RORY GALLAGHER SERÁ LANÇADO EM MAIO -

    HOT CHIP ANUNCIA DISCO E TURNÊ -

    CHARLIE BROWN JR. É ANUNCIA TURNÊ COM SHOW NO ROCK IN RIO -

    ZÉLIA DUNCAN LANÇA SINGLE DE DISCO QUE DEVE SAIR EM ABRIL -

    “PAÊBIRÚ”, ESTREIA DE ZÉ RAMALHO CHEGA AO VINIL ATRAVÉS DA POLYSOM -
    -
    Se inscreva no canal Alta Fidelidade -

    Curta a nossa página no Facebook -

    Nos siga no Twitter também!

  • Lula Côrtes & Zé Ramalho - Culto À Terra

    2:13

    Available From:
    Download:
    Subscribe To Mr Bongo:

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    LIKE MR BONGO -
    FOLLOW MR BONGO -
    VISIT THE WEBSITE - For information regarding licensing please contact us via

  • x
  • Lula Cortes no show Vivo de Alceu Valença

    1:40

    A participação especial do grande Lula no show Vivo de Alceu Valença, março de 2011, São Paulo. Imagens Hissashi Honda

  • Lula Côrtes & Zé Ramalho - Nas Paredes Da Pedra

    7:35

    Available From:
    Download:
    Subscribe To Mr Bongo:

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    LIKE MR BONGO -
    FOLLOW MR BONGO -
    VISIT THE WEBSITE - For information regarding licensing please contact us via

  • Zé Ramalho e Lula Côrtes - Harpa dos Ares Paêbirú.

    3:57

    Paêbirú ou Peabiru é um álbum lançado em 1975 por Zé ramalho e Lula Côrtes,tendo faixas que mesclam o Rock psicodélico,Jazz e ritmos regionais do nordeste. O álbum original acompanha um livro que contém estudos sobre o Peabiru ou caminho do sol uma antiga rota indígena que ligava o litoral Sul brasileiro até o Peru (cordilheira dos Andes).

    Harpa dos Ares é a quarta faixa do álbum Paêbiru (1975).

    Músicos:
    Geraldo Azevedo/Lula Côrtes/Zé Ramalho.

    Arte:
    Vídeos da floresta amazônica (conteúdo público da internet)

    Edição:
    - Rodrigo Eyng

    Conteúdo sem fins lucrativos,apenas uma homenagem a grandes músicos e artistas.

  • Zé Ramalho - Não Existe Molhado Igual ao Pranto

    2:52

    Music video by Zé Ramalho performing Não Existe Molhado Igual ao Pranto (Pseudo Video). (C) 1996 BMG BRASIL LTDA.

  • Lula Côrtes e Zé Ramalho - Nas Paredes Da Pedra Encantada

    7:37

    Lula Côrtes e Zé Ramalho - Nas Paredes Da Pedra Encantada

    Álbum Paêbirú (1974)

    A gravadora me solicitou um link para o álbum. Aqui vai:

  • Ave Sangria - O Poeta

    3:43

    Vejam:
    O poeta suicidou-se de repente
    Deu um teco e já estava demente
    Quando anunciou:
    Não te iludas mais, criança
    Antes que tenhas tempo pra correr
    Já estarás Na pança de um aparelho de TV
    Tudo está perdido
    A inocência corrompeu-se por um prato de feijão com arroz
    Eu tenho medo
    Por mim e por vocês
    E pelo que vem depois do fim deste mês
    Vejam:
    O poeta suicidou-se de repente
    Deu um teco na e silenciosamente
    Nos abandonou

    ***
    45 anos depois, a lendária AVE SANGRIA lança VENDAVAIS, novo álbum com músicas inéditas, todas compostas na década de 70. As onze músicas mantém a proposta inicial da banda: unir o rock com ritmos nordestinos, mesclando a linguagem psicodélica com sonoridade contemporânea: “O repertório do novo álbum persegue as características recorrentes do grupo; do divertimento escrachado à morbidez de temas sombrios, da crítica social implacável ao mais delirante psicodelismo, da agressividade do rock pesado ao lirismo acústico das baladas” – diz o cantor Marco Polo. O álbum foi gravado ao longo de 2018, com produção de Juliano Holanda e Paulo Rafael.

    Para saber mais sobre VENDAVAIS, acesse o site oficial da banda:
    Acompanhe as novidades e agenda também pelo Instagram @avesangria

  • Various Artists - Psychedelic Pernambuco

    55:47

    Available Here:

    “It’s certainly psychedelic... It’s also terrific!” KieronTyler (The Arts Desk / Mojo)

    “A compelling and surprisingly tuneful cauldron of weirdness!” Mark Hudson (The Daily Telegraph)

    “An intriguing compilation - well worth checking out!” Robin Denslow (The Guardian)

    Far to the north-east of Brazil’s twin musical capitals of Rio and São Paulo, lies the city of Recife, in the state of Pernambuco. During the country’s lengthy and oppressive military dictatorship (1964-1985), a cadre of like-minded and socially conscientious musicians were quietly building their own music scene, away from the glare of the censors.... for a time, at least.

    Strongly influenced by the psychedelic music coming out of America and Britain (and further inspired by visits to India and Morocco), local musicians such as Zé Ramalho, Lula Côrtes & Alceu Valença were to be the vanguard of their own, wild, hedonistic Psyche-scene. There would be sitars and lutes merging with traditional Pernambucan percussion; constant collaborations and ethereal art-collectives; experiments with ‘found-sound’ colliding with earthy flutes and driving backlines – all helped along by men wearing lipstick, acid, mushrooms, marijuana, suggestive dancing and plenty of onstage kissing.

    The songs and artists featured on this album are a fittingly schizophrenic selection. Psychedelic Pernambuco finds crazed ethno-punk giving way to tweaked Americana; mystical jungle-folk stands alongside cocaine-fuelled fuzz-rock, and acid-raga trance segues into mutated proto-disco.

    The party couldn’t last forever. The military were a constant nuisance and a growing threat to these underground experimentalists. In one famous incident Lula Côrtes & Zé Ramalho were forced to leave Recife and flee to the woods to record their cult-classic album, Paebiru – named after the mystical Paebiru Stone which is alleged to have alien hieroglyphs carved into its sides. In the end, compounding factors like the ascent of modern-rock and the severe restrictions on their output by the military (whole pressings of albums were frequently seized and destroyed), led many of the vanguard of the Pernambucan scene to slowly dissipate and eventually blow away with the wind, like so much marijuana smoke. The final hurrah would come from Lula Côrtes, who, wishing to “close all this with a golden key”, went into a small studio in 1980 to record ‘Rosa de Sangue’ – it was duly destroyed upon its completion. Nobody knows if any copies survived.

    Mr Bongo Records Online:




    For information regarding licensing please contact us via

  • Lula Côrtes & Zé Ramalho - Louvação A Lemanjá

    1:56

    Available From:
    Download:
    Subscribe To Mr Bongo:

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    LIKE MR BONGO -
    FOLLOW MR BONGO -
    VISIT THE WEBSITE - For information regarding licensing please contact us via

  • Pé-Preto - Trilha do Sumé Oi Novo Som

    4:23

    Música: Lula Côrtes e Zé Ramalho / Versão: Pé-Preto

    A música Trilha do Sumé é uma das primeiras faixas do disco Paêbirú (Rozemblit, 1973), um clássico que representrou a música nordestina na década de setenta com o movimento chamado Udigrudi, que contou com a participação de vários artistas, convidados por Lula Côrtes (idealizador do projeto) como: Zé Ramalho, Alceu Valença, Don Tronxo, etc... O disco fala de misticismo, origem dos povos, sumérios, entre outras coisas. Paêbirú significa Caminho do Sol (caminho feito pelos povos andinos, a caminho da sabedoria).
    O LP original também é uma raridade arqueológica, devido a cheia de 1973 que submergiu Recife. Sua prensagem foi única: 1.300 cópias. Mil delas, literalmente, foram por água abaixo. A calamidade levou junto a fita máster do disco. Milagrosamente, salvaram-se 300 exemplares (que Lula havia levado para casa). Bem conservado, o vinil original de Paêbirú está atualmente avaliado em mais de R$ 12 mil. É o álbum mais caro da música brasileira. Em parâmetros monetários, desbanca, inclusive, o LP Louco por Você, de Roberto Carlos - avaliado por menos da metade do preço.

  • Trilha do Sumé e Pinturas Rupestres Brasileiras

    4:15

    Musica de Lula Cortês e Zé Ramalho, do álbum Paebiru
    Imagens de pinturas rupestres do território nacional!

    #Todos direitos reservados

  • LP Paêbirú - Lula Côrtes e Zé Ramalho

    4:38

    ROZENBLIT RARE !!! 1975

  • Lula Côrtes & Zé Ramalho - Maracas De Fogo

    2:36

    Available From:
    Download:
    Subscribe To Mr Bongo:

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    LIKE MR BONGO -
    FOLLOW MR BONGO -
    VISIT THE WEBSITE - For information regarding licensing please contact us via

  • Zé Ramalho e Lula Cortês - Paêbirú

    55:38



    USINA - instantâneos

    No melhor estilo antropofágico, Paêbirú mistura guitarras elétricas, sons da fauna e flora brasileira, tambores e harpas, um canto para iemanjá, jazz, mitologia indígena e, acima de tudo, seres extraterrestres. O resultado é uma viagem psicodélica pelos confins intergalácticos de Ingá. Durante muitos anos acessível somente àqueles dispostos a pagar uma verdadeira fortuna, agora temos diante de nós o LP mais disputado da música brasileira. Um álbum que, sem dúvida, faz jus à sua histórica reputação.




    Do canal: Wanderson Oliveira

  • Paêbirú - Não existe molhado igual ao pranto

    7:34

    Paêbirú, (Peabiru ou Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol caminho que se estendia por mais de mil e duzentos quilômetros da costa brasileira do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico) é um álbum brasileiro lançado no ano de 1975 por Lula Côrtes e Zé Ramalho. O disco contém uma grande miscelânea de gêneros musicais como o rock psicodélico, jazz, e ritmos regionais do Nordeste Brasileiro. Foi um dos primeiros discos não declarados da psicodélia brasileira.[1] O disco é hoje o vinil com maior valor comercial no Brasil, bem conservado, um disco da edição original vale em torno de 4 mil reais.[2]
    Fonte:

    Paêbirú is an album by Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho. The album was originally released in 1975 (see 1975 in music) and reissued in 2005 on Shadoks Music.
    Allegedly, almost all of the original copies of the album were destroyed in a river flood, making it incredibly hard to find [1]. Since its reissue, it has been widely acknowledged as a lost gem of the Brazilian psychedelic movement of the 1960s and 1970s.
    Source:

  • Cátia de França - O Bonde

    3:35

    Music video by Cátia de França performing O Bonde (Pseudo Video). (C) 1979 Sony Music Entertainment Brasil ltda.

  • Pé-Preto - Trilha do Sumé Oi Novo Som

    4:23

    Música: Lula Côrtes e Zé Ramalho / Versão: Pé-Preto

    A música Trilha do Sumé é uma das primeiras faixas do disco Paêbirú (Rozemblit, 1973), um clássico que representrou a música nordestina na década de setenta com o movimento chamado Udigrudi, que contou com a participação de vários artistas, convidados por Lula Côrtes (idealizador do projeto) como: Zé Ramalho, Alceu Valença, Don Tronxo, Marconi Notaro, etc... O disco fala de misticismo, origem dos povos, sumérios, entre outras coisas. Paêbirú significa Caminho do Sol (caminho feito pelos povos andinos, a caminho da sabedoria).
    O LP original também é uma raridade arqueológica, devido a cheia de 1973 que submergiu Recife. Sua prensagem foi única: 1.300 cópias. Mil delas, literalmente, foram por água abaixo. A calamidade levou junto a fita máster do disco. Milagrosamente, salvaram-se 300 exemplares (que Lula havia levado para casa). Bem conservado, o vinil original de Paêbirú está atualmente avaliado em mais de R$ 7 mil. É o álbum mais caro da música brasileira. Em parâmetros monetários, desbanca, inclusive, o LP Louco por Você, de Roberto Carlos - avaliado por menos da metade do preço.



    •• Se gostar, adicione aos seus favoritos ••

    obrigado.

  • Hugo Leão fala sobre o álbum duplo Paebiru

    8:07

    Filme sobre o disco Paêbiru, de Zé Ramalho e Lula Côrtes, já pode ser visto no YouTube Veja o filme:



    Documentário resgata histórias do lendário álbum lançado pela gravadora pernambucana Rozemblit

    Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco
    Publicado em: 29/09/2016 19:54

    Lançado em 1975 pela gravadora pernambucana Rozenblit, o disco Paêbiru, dos cantores Zé Ramalho e Lula Côrtes (1949-2011), tornou-se um clássico da música brasileira e virou raridade entre colecionadores (um vinil original da época chega a custar R$ 11 mil). O filme Nas paredes da pedra encantada, dirigido pelo cineasta gaúcho Cristiano Bastos, resgata histórias sobre a gravação do álbum por meio de entrevistas com artistas envolvidos direta e indiretamente no projeto.

    O documentário ficou pronto em 2011, quando circulou por festivais de cinema, e depois foi lançado em DVD pelo selo goiano Monstro Discos, que este mês resolveu liberar o documentário na internet por meio do YouTube. Com longos depoimentos exibidos praticamente sem cortes, o longa-metragem, de 1h57 de duração, revela significados contidos nas músicas e bastidores das gravações.

    Em uma cena, Lula Côrtes, que ainda estava vivo na época das filmagens, volta à Pedra do Ingá, que inspirou o disco, e relembra momentos vividos no local, onde há pinturas rupestres. Lailson, Alceu Valença e Kátia Mesel, que desenhou a capa do álbum, também cedem depoimentos. Zé Ramalho, que nunca fala sobre o assunto em entrevistas, preferiu não participar do filme.

    Textos acima copiados do site

    Publicado em 19 de set de 2016 por MONSTRO DISCOS Disponível no seu canal

    Nas Paredes da Pedra Encantada (a história por detrás do mítico álbum Paêbirú - Caminho da Montada do Sol, de Lula Côrtes e Zé Ramalho)

    De Cristiano Bastos e Leonardo Bomfim

    Nas Paredes da Pedra Encantada é um road movie que viaja pelas lendas do mítico Paêbirú - Caminho da Montanha do Sol, álbum lançando em 1975 por Lula Côrtes e Zé Ramalho.

    Os diretores Cristiano Bastos e Leonardo Bomfim arrumaram uma Kombi para levar Lula Côrtes de volta a Ingá, recanto do agreste paraibano envolto no misticismo de uma pedra talhada com signos pré-milenares. Entre as lembranças de Lula e as histórias de figuras diversas da cena udigrudi nordestina, (como Lailson, Alceu Valença e Kátia Mezel) o filme investiga, não só a riqueza musical de Paêbirú, mas também o imaginário do interior da Paraíba e o momento psicodélico dos anos 70 na ponte entre Recife e João Pessoa.

    Adquira aqui o DVD (Loja Monstro):
    Facebook Monstro Discos:

    VERSÃO COM LEGENDA EM INGLÊS:

    Documentary: Nas Paredes da Pedra Encantada (English Subtitles)

  • Ricardo Ribeiro - Paêbirú

    4:14

    Medley de duas canções do incrível Paêbirú.

  • Persona - Som

    29:10

    00:00 - Introdução / Monte
    04:25 - Céu
    07:25 - Terra
    12:07 - Fogo
    14:23 - Água
    17:16 - Vento
    23:15 - Lago
    28:29 - Trovão

    Lançado no Brasil em 1975, edição privada, em long-play mono de 10. Obscura banda progressiva experimental, pré-Tutti-Frutti. Interessante sonoridade em gravação precária, parecendo ter sido feita em uma pequena garagem, com gravador K-7 doméstico de 2 canais!!!

    Segundo o link postado por alpinoterran, o disco é pra ser a trilha sonora de um jogo de tabuleiro:

    FICHA TÉCNICA
    Locução - Roberto Campadello
    Canto - Carmen Flores
    Guitarra, Echo Play Efects e Gaita - Luís Carlini
    Vioão - Lee Marcucci
    Percussão - Franklin Paolillo

    Fonte:

  • Lula Côrtes e Zé Ramalho - Nas Paredes Da Pedra Encantada

    7:37

    Paêbirú, (Peabiru ou Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol caminho que se estendia por mais de mil e duzentos quilômetros da costa brasileira do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico) é um álbum brasileiro lançado no ano de 1975 por Lula Côrtes e Zé Ramalho. O disco contém uma grande miscelânea de gêneros musicais como o rock psicodélico, jazz, e ritmos regionais do Nordeste Brasileiro. Foi um dos primeiros discos não declarados da psicodélia brasileira.[1] O disco é hoje o vinil com maior valor comercial no Brasil, bem conservado, um disco da edição original vale em torno de 4 mil reais.[2]
    Fonte:

    Paêbirú is an album by Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho. The album was originally released in 1975 (see 1975 in music) and reissued in 2005 on Shadoks Music.
    Allegedly, almost all of the original copies of the album were destroyed in a river flood, making it incredibly hard to find [1]. Since its reissue, it has been widely acknowledged as a lost gem of the Brazilian psychedelic movement of the 1960s and 1970s.
    Source:

  • Lula Côrtes - O Clone

    6:15

    Lula Côrtes O Clone (Lula Côrtes)
    com Lula Côrtes (Voz), Sérgio Eduardo (baixo), Rodrigo Morcego (guitarra) e Geomar Souza (bateria).

    Observa & Toca Estúdio Ao Vivo
    Realização Fundarpe
    Rafael Cortes -- Coordenador de Música
    Iuri Freiberger -- Produção Geral
    e mais um bocado de gente.

  • Omm - Paebiru - Lula Cortes e Ze Ramalho

    6:04

    Song from Paebiru, obscure psychedelic masterpiece from Recife, Brasil, 1974.
    Pictures, inspired by Ayahuasca visions by Pablo Amaringo, peruvian painter and shaman.
    Please support the artist you can buy this album here:

  • Alceu Valença, Zé Ramalho, Lula Côrtes - Vou Danado Pra Catende 1975

    3:36

    Alceu Valença e o grupo Trem de Catende, que contava com parte dos integrantes da banda Ave Sangria. Vídeo produzido para o Festival Abertura, realizado pela Tv Globo.
    Em 75 já havia uns cabeludos muito loucos, fazendo um som bem psicodélico, aqui no Brasil... Vamos à escalação:

    Alceu Valença (voz e violão);
    Zé Ramalho (voz e viola);
    Lula Côrtes (tricórdio); In memorian
    Zé da Flauta (flauta);
    Ivinho (guitarra);
    Paulo Raphael (baixo);
    Israel Semente Proibida (bateria);
    Agricinho Noia (percussão);

  • Trilha de Sumé / Culto à Terra / Bailado das Muscarias

    13:14

    Provided to YouTube by Believe SAS

    Trilha de Sumé / Culto à Terra / Bailado das Muscarias (Terra) · Lula Cortes, Ze Ramalho

    Paêbirú (Caminho da Montanha do Sol)

    ℗ Solar

    Released on: 2019-08-09

    Author: José Ramalho Neto
    Composer: José Ramalho Neto
    Author: Luis Augusto Martins Côrtes
    Composer: Luis Augusto Martins Côrtes

    Auto-generated by YouTube.

  • Lula Côrtes & Zé Ramalho - Trilha De Sumé

    6:31

    Available From:
    Download:
    Subscribe To Mr Bongo:

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    LIKE MR BONGO -
    FOLLOW MR BONGO -
    VISIT THE WEBSITE - For information regarding licensing please contact us via

  • paebiru

    2:44

    A verdadeira psicodelia Brasileira - Lula Cortes e Zé Ramalho

  • A Página Do Relâmpago Elétrico- 1977- Beto Guedes

    38:39

    Página Sonzeira City No Facebook:

    Faixas

    1- A Página Do Relâmpago Elétrico (Beto Guedes/Ronaldo Bastos) (0:00)
    2- Maria Solidária (Milton Nascimento/Fernando Brant) (5:25)
    3- Choveu (Beto Guedes/Ronaldo Bastos) (8:26)
    4- Chapéu De Sol (Beto Guedes/Flávio Venturini) (12:48)
    5- Tanto (Beto Guedes/Ronaldo Bastos) (17:16)
    6- Lumiar (Beto Guedes/Ronaldo Bastos) (21:08)
    7- Bandolim (Beto Guedes) (24:34)
    8- Nascente (Flávio Venturini/Murilo Antunes) (28:56)
    9- Salve Rainha (Tavinho Moura/Zé Eduardo) (32:41)
    10- Belo Horizonte (Godofredo Guedes) (35:44)

  • Zé Ramalho - A Terceira Lâmina

    4:19

    Zé Ramalho (Brejo do Cruz - Paraíba / Brasil)

    José Ramalho Neto nasceu em 3 de outubro de 1949 na cidade de Brejo do Cruz, no sertão da Paraíba, no Brasil, a 380 quilômetros da capital, João Pessoa, filho de Estelita Torres Ramalho, uma professora do ensino fundamental, e Antônio de Pádua Pordeus Ramalho, um seresteiro.

    Quando tinha dois anos de idade, seu pai se afogou em uma represa do sertão, e passou a ser criado por seu avô. A relação entre os dois seria mais tarde homenageada na canção Avôhai. Após passar a maior parte da sua infância em Campina Grande, sua família se mudou para João Pessoa. Esperava-se que ele se formasse em Medicina.

    Assim que a família se estabeleceu em João Pessoa, ele participou de algumas apresentações de Jovem Guarda, sendo influenciado por Renato Barros, Leno e Lílian, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Golden Boys, Beatles, Rolling Stones, Pink Floyd e Bob Dylan. Em 1974, seu primeiro filho com Ízis, Christian, nasceu.

    Antes de compor, ele escrevia versos de cordel.

    Em 1974, ele tocou na trilha sonora do filme Nordeste: Cordel, Repente e Canção, de Tânia Quaresma. Na época, passou a misturar as suas influências: de Rock n Roll a forró. Um ano depois, gravou seu primeiro álbum, Paêbirú, com Lula Côrtes na gravadora Rozenblit. Hoje em dia, as cópias desse disco valem muito por serem raras.

    Em 1976, mudou-se para o Rio de Janeiro.

    Em 1977, gravou seu primeiro álbum solo, Zé Ramalho. No próximo ano, seu segundo filho, Antônio, nasceu.

    Em 1979, veio o terceiro filho, João, fruto de sua relação com a cantora Amelinha, e também o segundo álbum, A Peleja do Diabo com o Dono do Céu. Ainda neste ano, produz o álbum 20 Palavras ao redor do Sol, primeiro trabalho de Cátia de França. Mudou-se para Fortaleza em 1980, onde escreveu seu livro 'Carne de Pescoço'. O terceiro álbum A Terceira Lâmina, foi lançado em 1981, ano em que nasceu sua primeira filha, Maria Maria; logo após, veio o quarto disco, Força Verde, em 1982.

    Em 1983, após o lançamento do quinto álbum, Orquídea Negra, terminou sua relação com Amelinha Collares. Depois de gravar Pra Não Dizer que Não Falei de Rock (também conhecido como Por Aquelas que Foram Bem Amadas), no início do ano de 1984, casou com Roberta Ramalho, com quem é casado até hoje.

    Os anos 80 seriam palco de uma queda no sucesso de Zé Ramalho, com o lançamento dos álbuns De Gosto de Água e de Amigos (1985), Opus Visionário (1986) e Décimas de um Cantador (1987). Uma possível causa dessa fase ruim seria o uso de experimentalismo na música. Em 1990 e 1991, ele tocou nos Estados Unidos para um público brasileiro.

    Em 2012, lançou o seu primeiro disco de inéditas em cinco anos, Sinais dos Tempos, por meio de sua nova gravadora própria, Avôhai Music.

    No dia 22 de setembro de 2013, tocou ao lado da banda de metal Sepultura no palco Sunset do Rock in Rio 2013, no espetáculo que foi chamado de Zépultura. O show foi bastante elogiado pela crítica, e agradou ao público presente. Vale lembrar que essa parceria já havia acontecido anteriormente, quando eles gravaram juntos a canção A Dança das Borboletas que fez parte da trilha sonora do filme Lisbela e o Prisioneiro (2003).

  • Music News Entrevista - Zé da Flauta - Por AD Luna

    5:31

    Zé da Flauta é um dos personagens do disco Paêbirú. Em 1974, participou da gravação do LP na histórica gravadora Rozemblit, com a dupla Zé Ramalho e Lula Cortês. Hoje o LP é disputado por colecionadores no mundo à fora e chega a custar mais mil doláres.
    Nota - James Lima

  • Lula Côrtes & Zé Ramalho - Não Existe Molhado Igual Ao Pranto

    7:51

    Available From:
    Download:
    Subscribe To Mr Bongo:

    The album is a collaboration between Brazilian artists Lula Côrtes and Zé Ramalho, a wonderfully off-kilter record full of fantastic hooky and strange tunes that range from full-on freakouts to quiet pastoral numbers displaying the entire range of 1970s hippie Brazilian musician culture.

    LIKE MR BONGO -
    FOLLOW MR BONGO -
    VISIT THE WEBSITE - For information regarding licensing please contact us via

Menu